quarta-feira, 22 de junho de 2011

191- Concurso - "conta-nos uma história"

Promovido pela DGIDC, realizou-se este ano a 2ª edição do Concurso: "Conta-nos uma história". Este concurso pretende pretende fomentar a realização de projectos desenvolvidos pelas escolas de Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico que incentivem a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), nomeadamente as de gravação digital áudio.


Ontem foi dia da cerimónia da entrega de prémios à qual estive presente.

Confesso que gostei imenso desta iniciativa. Ela foca-se numa questão essencial para os alunos que frequentam a escola de hoje: "A promoção das literacias". Este concurso permite(iu) que os alunos desenvolvam competências de:
- Leitura (expressiva);
- Escrita;
- De síntese, pois o tempo de duração do recursos educativo produzido era limitado;
- Tecnológicas (na utilização de software educativo) no caso relativo a podcast e videocast;
Permitindo ainda a produção de recursos educativos.

Mas sobretudo o que mais me maravilhou foi o envolvimento de mais de meio milhar de escolas do pré-escolar e primeiro ciclo.
Todas estas escolas foram vencedoras:
- Vencedoras porque ousaram por as mãos à obra;
- Vencedoras porque ousaram inovar;
- Vencedoras porque mobilizaram os alunos (foram raros os trabalhos em que estes não tiveram o papel principal);
- Vencedoras porque descobriram na tecnologia uma ferramenta para novas aprendizagens;


Também penso que esta iniciativa foi ocasião para que muitos alunos e professores descobrissem uma biblioteca escolar que desconheciam. Para além de livros, a biblioteca escolar  tem múltiplos espaços e valências e, de um modo especial, uma valência de produção TIC: nela os alunos aprendem a: 
usar;
construir;
produzir novos conhecimentos e recursos com a ajuda de um professor qualificado: O professor Bibliotecário.  
  ---
E é tão bonito ouvir as vozinhas dos nossos pequenitos!!!! 
---
Gostei de dar uma espreitadela à biblioteca da Escola Vasco da Gama. Estavam lá uns meninos, muito compenetrados, a trabalhar à volta de uns computadores