terça-feira, 19 de março de 2013

325 - Visita de estudo à Finlândia: The teaching profession, teacher education and basic education II

 Ao fim do segundo dia de visita tenho de reconecer que  é mesmo necessário repetir-me e, dos 3 aspetos que irei referir, um deles é o mesmo de ontem.

Vamos às reflexões:
1 - A forma como é visto o professor -   Mais um dia de visita a uma escola e com total liberdade de entrar e sair das salas de aula sem que ninguém nos impeça. Volto a referir que não vi nada que não aconteça connosco: muídos bem comportados, boa relação pedagógica, miúdos desatentos, um ou outro a enviar sms, ... mas esse não é o ponto! o ponto é que todos confiam nos professores e é mesmo prciso confiar para abrir as portas da sala de aula a professores de 15 países europeus, sabendo que, com isso, poderia correr-se o risco de se dizer em toda a Europa que o sistema finlandes é bluff e que tudo corre mal.
O facto é que não corre! a autoestima deste povo é impressionante e os professores sentem isto! sentem mesmo que estão no bom caminho. Quem elogia os nosso professores?

2 - Os alunos: Já entrei em 7 ou 8 salas de aulas e vi alunos de todas as idades. Percebe-se, apesar de algumas aulas que vi fossem em finlandês que há uma boa relação pedagógica, mas o que mais me chamou a atenção foi a auto-estima de muitas alunas (principalmente estas). Nota-se que são decididas e que querem mesmo aprender! Nota-se...
A sua postura,  o seu olhar, ... começo a ficar mesmo com a ideia que isto da Finlândia não é apenas conversa (e vim para cá com essa ideia, confesso!)

3 - O currículo - Isto já tinha visto noutros países... o trabalho de mãos não é esquecido: Madeiras, metais, texteis, cozinha... Desde a mais tenra idade, ainda no 1º ciclo.(imagem acima)
E isto faz muito sentido! 
Confesso até que tenho dificuldade em explicar a quem nos visita em Portugal que não viu as oficinas por estas não existuirem e que não foi esquecimento da parte de quem organizou a visita.! 
Como é possível que as escolas desde há 20 anos para cá não tenham sido equipadas com oficinas? Creio que iremos pagar caro este erro! 
A malta não é só cérebro!